COMO MEU TIO ROLUDO E COMEDOR COMEU MINHA ESPOSA NOVINHA E RABUDA 3º Autor: Super_Canalha

                 Chegando a minha casa, eu chamei meu tio novamente para tomar café, já ansioso pela surpresa que a minha esposa tinha preparado para ele, fui pegar a correspondência e meu tio foi adentrando minha casa, quando retornei vi meu tio paralisado em frente à porta, vi o motivo ao entrar, minha adorada esposa estava com uma micro-saia rosa sem calcinha limpando em baixo da estante com a cabeça no chão e o cu pro alto virado de frente para a porta, o bucetão dela estava totalmente exposto e também seu cuzinho rosado, meu tio estava parado ao admira-la, eu então disse o nome dela em tom altivo, ao que Aninha fingiu se assustar, se levantou me deu um beijo e um abraço no meu tio, meu tio como de costume a abraçou e apertou sua bundona gostosa, e eu acho que ele lhe enfio dois dedos na buceta, a marota sorriu e foi pra cozinha preparar o café, em quanto meu tio cheirava e lambia os dedos com aroma adocicado.
Não passou muito tempo e ela me chamou na cozinha, deixei meu tio na sala vendo o noticiário, então ela me agarrou e disse no meu ouvido “oi meu corninho manso” e perguntou se eu havia gostado da surpresa, ela levantou a saia me mostrando o bucetão dela lisinho sem nenhum pelo, fiquei louco de tesão, e ela me disse para ir para a sala que o show ainda não havia acabado, eu dei um beijo nela e voltei.
Após o café eu sentei no sofá ao lado da minha esposa e meu tio ficou na poltrona, sentado de frente para ela, Aninha pegou uma revista e ficou lendo ou fingindo ler e a todo o momento abria as pernas pro meu tio deixando ele muito nervoso, ela abria as pernas fingindo não estar percebendo e me dava um toque para que eu pudesse ver a reação do meu tio, que já nem olhava mais para a TV, eu ficava olhando a TV fingindo não perceber nada.
Aninha para provocar mais meu tio perguntou o que ele tinha, pois parecia inquieto, ele meio sem jeito falou que estava com uma dor nos pés, e a Aninha perguntou se ele queria uma massagem, ele disse que sim, então ela pegou um banquinho e pôs na de frente dele, sentou-se no banco, deixou a saia subir um bocadinho e pediu pra ele por o pé encima de sua coxa, meu tio fez o que ela disse, ela estava com as pernas abertas fingindo não perceber e dando um close de sua buceta para ele, ela ficava passando o dedão do pé do meu tio bem perto de sua buceta, fazendo-o encostar de vez em quando em seus pelos pubianos com o pretexto da massagem, alisava seu pé com o priquitinho fazendo meu tio sentir toda a macies de sua buceta na palma do pé.
Fui ao banheiro e quando voltei meu tio já estava bem mais a vontade, havia tirado a camisa e estava com uma calça de moletom cinza e parecia estar sem cueca, pois a rola dele estava enorme marcando evidentemente a calça ele se exibia para ela sem o menor pudor e nem se importava comigo, ficamos conversando e ai minha esposa disse pronto e deixou o pé dele repousando num vão entre as pernas dela, o que deixo seus dedos repousando em cima de sua buceta, meu tio agradeceu a massagem e ao lhe perguntou se tinha cerveja e enfio discretamente o dedão dentro de sua vagina, ela lambeu os lábios e respondeu que sim e foi buscar, ela trouxe duas, uma pra ele e outra pra ela e ficaram bebendo e conversando, depois de um tempo conversando meu tio disse que estava com saudade da noiva dele, quando ele disse isso a Aninha rindo respondeu que estava ali, ele então falou para ela sentar no colo do seu noivo, meu tio de pau duro apontando para cima e ela foi sentando em seu colo de frente pra ele, ambos visivelmente excitados e mais alegres por causa da cerveja, ai ele já foi pondo as mãos em seu rabão e ficou alisando, ela me olhava e sem que ele percebesse, sussurrava me chamando de corno manso, e perguntava pra mim se estava gostando de ser um corninho, eu balançava a cabeça afirmativamente e ficava assistindo meu tio alisando a bunda da minha esposa ao que ela esfrega lentamente a buceta no contorno do pau dele por cima da calça ali na minha frente.
Eu já estava de pau duro e Aninha me olhava e mordia os lábios, meu tio a perguntou se não estava usando calcinha, ao que ela indagou como ele sabia, ele disfarçou e disse que não havia marca em sua bunda, ao que ela brincou, dizendo-lhe que ele estava olhando pra sua bunda e que ele era muito safado, ele disse que estava sim e que a noiva dele é muito gostosa, ela lhe deu um selinho e com voz manhosa confirmou que estava sem calcinha devido o calor muito forte que fazia e também que não estava muito afim de usar, ambos sorriram em quanto meu tio segurava sua cintura forçando-a para baixo apertando a buceta dela contra o seu pau.
Ela ficou movendo levemente o quadril, esfregando a buceta por cima da calça, no caralho duro do meu tio, de súbito ela levantou do colo dele e pude ver seu enorme pau marcando sua calça meio úmida, não sei se dos líquidos dele ou dela, minha esposa deu uma olhada e me olhou sem meu tio perceber, sussurrando bem baixinho, “corninho olha o tamanho da rolona do titio”, fiquei um tanto atônito sem saber o que falar.
Ana colocou um CD e ficou dançando, meu tio não tirava os olhos da bunda dela e ela o chamou para dançar, nesse momento eu fui tomar banho e uns cinco minutos depois voltei e eles estavam dançando uma musica meio lenta e meu tio estava segurando ela pela bunda com as duas mãos, ela me viu e disse novamente apenas mexendo os lábios que ele estava roçando seu priquito, ele apertar a bunda da minha esposa ate que começou a levantar a saia dela ate a altura da cintura, se afastou e segurando a saia dela, ficou olhando o bucetão dela lisinho e falou nossa que bucetinha mimosa, ela apenas riu e abaixou a saia chamando ele de cachorro, ele lhe disse que ela que era uma cadela safada.
Depois ele lhe perguntou se podia passar a mão na buceta dela, ela disfarçando olhou pra onde eu estava como se me pedisse permissão e eu consenti, ela então levantou a saia e disse que podia, mas tinha de ser rapidinho, pois eu poderia voltar a qualquer momento, ele não perdeu tempo e já foi logo metendo a mão na buceta da minha esposinha, alisou ela um pouquinho e ela disse que já chega que estava bom, meu tio estava muito excitado e botou a rolona dura para fora da calça e falou olha como você me deixa sua rabuda gostosa.
Minha mulher ficou olhando a rola dele encantada, ele ficou balançando aquele poste duro e minha mulher olhando, ele então pediu pra ela pegar um pouquinho, ela nem me olhou e pegou na pica dele e ficou alisando dizendo-lhe que seu pau era muito bonito, grande e grosso, ela não conseguia nem fechar a mão em volta dele, meu tio a pegou nos braços novamente e pôs as pernas dela em volta de sua cintura e segurando-a pela bunda com ambas as mãos e com a saia levantada, pude ver ele sarrando sua piroca em contato direto com a buceta da minha mulher, ele de olhos fechados gemia baixinho movendo os quadris pra frente e para trás e minha esposinha olhava para mim com sua cabecinha recostada no ombro dele, babando e chupando seu ombro, os olhos dela refletiam o tesão que estava sentindo, sua cara toda era de puro tesão em ter os lábios de sua buceta sendo esfregados contra a cabeça e a extensão superior do caralho do meu tio em contato direto pele com pele, ela gemia feito uma cadelinha, foi ai que eu fiz um barulho indicando que estava voltando e ao voltar a sala, meu tio estava sentado fingindo ver o noticiário e Aninha me olhando com cara de puta no cio, passou dez minutos e meu tio disse que ia embora, quando ele fechou a porta, minha esposa e eu começamos a nos agarrar e ela me indagava se eu tinha gostado de ver meu tio lhe passando a vara, se eu era um corninho manso de verdade, o tesão era tamanho que eu respondia sim a tudo ela questionava, ela me dizia que a pirocona dele era muito grande e gostosa, e mandava-me chupar sua buceta que meu tio havia passado a rola e me chamava de corno manso, não consigo mensurar o tesão que sinto ao ouvi-la me chamar de corno manso, depois de fudemos bastante, ela me perguntou se já estava preparado para ser corno do meu tio, eu disse que era melhor esperar mais um pouco e ela disse que não ia esperar muito.
No dia seguinte, cheguei em casa e a Aninha estava só de toalha vendo TV, meu tio ao vela já mudou de expressão, ela veio me deu um beijinho e pulou nos braços do meu tio, meu tio que nunca perde tempo e já foi logo lhe segurando pelo seu rabão e minha mulher lhe encheu de beijinhos no rosto aproveitando para lhe dar alguns selinhos na boca, ela me disse que havia acabado de tomar banho, com isso eu reparei no tamanho da toalha que ela usava, era muito justa e ficava mostrando as polpinhas de sua enorme bunda, além do que a qualquer movimento seu, sua bucetinha podia ser vista, meu tio nem precisou pedir, quando ele sentou ela já foi logo sentando no colo dele bem a vontade e daquele jeito mesmo, eu fui tomar um banho e uns dez minutos depois voltei e fiquei escondido observando.
Aninha viu que eu estava escondido e me olhava discretamente, ela rebolava levemente sentada no colo do meu tio e eu podia ouvir ele lhe pedindo para ela abrir as pernas, no que ela rapidamente ficou de frente para ele, afastou a toalha e abriu suas perninhas para meu tio, expondo sua buceta e seus peitinho, ele ficou alisando suas coxas nuas e ela gemendo baixinho rebolando na rola dele e me olhando nos olhos, eu vendo minha esposa rebolando na rola dura do meu tio me dava um tesão muito grande, comecei a me masturbar e ela ao ver que eu estava me masturbando começou a gemer um pouco mais alto, com isso meu tio acabou de tirar a toalha dela deixando-a peladinha e começou a mamar nos peitinhos dela. Ele pediu pra ela chupar a rola dele um pouquinho, ela pediu para ele ficar de pé meio de lado, assim não daria pra ele me ver, só ela podia me ver, então ela ajoelhou na frente dele, tirou seu pau para fora da calça e começou a mamar.
Ela chupava com muita vontade aquela cabeçona, eu não acreditei ao ouvi-la pedir para ele bater com a pica em sua cara, parecia uma puta e meu tio começou a bater forte com a rola na cara dela, dava para ouvir os estalos, ela abria a boca e botava a língua para fora e meu tio batia com a pica na língua dela, o tesão era tanto que gozei e sem querer fiz barulho, meu tio tomou um susto, mas não me viu e eu voltei para o chuveiro, isso deve ter espantado ele, pois ao regressar a sala, ele já havia ido embora mas não antes de gozar em sua boca, ela veio me beijar e pude sentir o gosto de porra em sua boca e ela permanecia nuazinha, me chamando de corno manso, perguntou se eu tinha gostado de ver a minha mulherzinha mamando no pauzão do meu tio, respondi que havia adorado e chupei sua língua freneticamente, naquela noite transamos com muita intensidade.

Comentários

Postagens mais visitadas