CORNO NA LUA DE MEL - PARTE 2 (an american tale) Autor: guido

CORNO NA LUA DE MEL - PARTE 2
(an american tale)
 
Eu achei melhor deixar o assunto morrer, para não estragar o clima da nossa lua de mel, e ela então começou a se arrumar, "Devemos ir querido, talvez possamos, ah você sabe, nos preparar para quando o Jack voltar." A ideia de chegar no quarto e fazer sexo com ela de novo superou todos os pensamentos ruins da minha cabeça. Eu estava agora no controle para o sexo com Karen e de volta para o meu paraíso em lua de mel. Nos vestimos e voltamos para nossa suíte. Minha mente começando a relaxar, e me devolver a confiança. Me livrei da minha roupa em segundos e Karen fez o mesmo. Desta vez porém, ela mais ou menos me empurrou de costas e montou minha pélvis. Eu estava olhando para o par de tetas mais sexys que eu já vira, e comecei a apalpa-las. Ela deslizou sua buceta sobre o meu pau e estendeu a mão, agarrou-o e meteu-o dentro. Ela ficou lá com o meu pau enterrado nela, e lentamente começou a balançar para trás e para frente. A sensação do gozo começou, e Karen estava começando a reconhecê-la, portanto ela parou de rebolar. Ela olhou para mim, "Oh, não Sr. Rapidinho, você não vai gozar rápido desta vez." Algo em sua voz, a maneira como ela disse: " Sr. Rapidinho", seu corpo em cima do meu, eu não consegui segurar, apertei os olhos e gozei dentro dela.
Karen suspirou, um grande suspiro que misturava cansaço e decepção, e sentou-se. Eu disse a ela o quanto eu sentia muito, que ela era sexy demais, e que eu iria aprender a lidar com isso. Ela levantou-se do meu pau, deixando as gotas de porra pingarem de volta na minha pélvis. Ela suspirou dizendo que estava tudo bem, e começou a descer. Eu sabia que estava em apuros, ela tinha acabado de passar a tarde olhando para homens com pênis muito maiores que o meu e agora ela estava me chamando de “Sr. Rapidinho”. Ela me olhou, e estendeu a mão. Ela suspirou novamente e ficou apenas sentada na cama, olhando para mim: "Querido, eu posso perguntar uma coisa?" Levantei meu tronco para cima, tentando lhe dar atenção. "Sim meu amor, qualquer coisa que você quiser, baby."
Ela começou a dizer... "Não, eu não posso dizer isso." Eu tinha que saber o que era, minha mente estava correndo, seria uma fantasia dela? este era o melhor momento da minha vida: "Querida, por favor, você pode me dizer qualquer coisa, eu te amo, diga-me, eu prometo que não vou ficar com raiva. " Ela rapidamente respondeu: "Tem certeza?" e eu confirmei. "Bem, você sabe que você é o meu primeiro homem, e que eu te amo, você me faz tão feliz... mas, bem, eu quero dizer, eu acho que eu apenas pensei que o sexo seria, assim, mais"
Eu congelei, dois dias de sexo e minha noiva não estava satisfeita, eu senti como se meu pau estivesse derretendo. "Ah, querida, eu ah, bem, o que, quero dizer, você não gostou? Quer dizer, eu tenho conseguido demorar mais, pelo menos, 3 ou 4 minutos agora..." Ela viu o medo em meus olhos, e ouvi-o na minha voz," Oh, não querido, eu só, bem, talvez, ah, assim, cada vez que começamos, você sabe, eu me sinto bem, mas as vezes desliza para fora.... ah, mas eu estou bem querido, esquece isso. "
Ela ficou em silêncio e, lentamente, começou a balançar em cima de mim de novo, eu estava ficando de pau duro de novo, apesar do nervoso, e ela parecia estar gemendo, aproveitando o fato de que eu não tinha gozado em mais de 5 minutos agora. Então, ela deixou escapar:
"Você gostou da praia de nudismo hoje, querido?"
"Oh, sim, baby, eu gostei"
"Você gostou de me ver nua na frente de todas aquelas pessoas?"
"Oh, sim, baby, eu adorei..."
"Achei tão sexy tirar a minha blusa, deixar meus peitos livres, com todos os homens olhando pra mim..."
"Oh baby, sim, foi muito sexy, adorei vê-los olhando também"
"Mmmmmmm, você viu Jack olhando para os meus peitos, baby?"
Eu congelei, eu não tinha ideia do que dizer, mas ela continuou a me provocar.
"Diga-me baby, você viu Jack olhando para os meus peitos, não viu?"
Lentamente eu respondi: "Sim, baby, eu vi"
"Mmmmmmmm, eu também, eu acho que ele gosta de peitos grandes, assim como os meus...".
"Oh sim baby, eu amo seus peitos grandes"
Nos momentos seguintes a minha vida começou a ir por um caminho que eu não poderia ter previsto jamais. Ela ainda estava balançando no meu pau quando deixou escapar: "Oh, querido, você viu o pau grande e grosso do Jack?"
Mais uma vez eu congelei, ela tentou manter o rebolado, mas eu tinha ficado tenso e ela deve ter pensado que eu estava em pânico. Mas algo tinha mudado nela, ela estava muito diferente, falando de sexo agora, me perguntando sobre o pau de outro homem... Ficamos imóveis, quando ela olhou para mim e disse: "Você não me respondeu, você viu o pau grande e grosso do Jack?" Engoli em seco, seu tom de voz, a linguagem corporal dela, eu queria gritar com ela, para ela não sequer pensar em outro homem enquanto estávamos fazendo sexo, mas eu não conseguia. Eu estava confuso, eu não tinha idéia de onde estava indo e só balancei a cabeça "Sim, sim, eu vi baby.."
Mais uma vez meu pau escorregou para fora, mas ela estava em tal ritmo agora, que ela manteve-o fora mesmo e começou a esfregar sua buceta e seu clitóris ao longo do meu eixo. Ela estava deslizando para frente e para trás, eu poderia dizer que ela estava se masturbando no meu pau, "Oh, querido, era tão grande, era enorme, eu não tinha ideia que o pau de um homem fosse tão grande, era muito sexy..."
Ela estava balançando mais e mais rápido agora, claramente estimulada pelas lembranças do membro de outro homem, enquanto o meu mesmo estava fora dela, eu não tinha ideia de como responder ao que ela tinha acabado de dizer, minha mente estava entorpecida, então ela começou novamente: "Oh porra, oh sim, não ouse gozar agora, somente eu vou, oh sim... mmmm... aquele pênis era tão grande baby, tão sexy, tão grosso, você quer que eu toque aquele pau, baby? "
Mais uma vez eu congelei, e disse que qualquer novo marido diria: "Não, o que você está fazendo? Não, eu não quero que você toque em pênis nenhum" Mas ela se recusou a parar.
"Oh baby, aquele pênis é tão grande, todos aqueles eram, todos aqueles homens com seus pênis grandes, me excitaram tanto, ohhhhh", balançando mais e mais rápido, "oh sim, oh baby, não se atreva a gozar, não ouse, todos aqueles grandes paus grossos, oh baby, oh baby, ohhhhh sssssssssssimmmm, oh merda, oh baby, todos esses paus grandes, aaaaaahhhhhhhhhhhhhhhhhh...." e ela gozou. Ela ficou tensa e rebolou mais algumas vezes no meu pau duro, e finalmente caiu em cima de mim.
Eu não tinha idéia do que dizer ou fazer. Eu estava tão assustado e confuso, minha esposa, minha noiva, teve seu primeiro orgasmo, gritando sobre outros homens com pênis grandes. Por fim, sentou-se, ainda me escarranchando, "Oh, querido, isso foi tão selvagem... me senti tão bem... ah ... bem... eu espero não ter te aborrecido com o que eu disse, quer dizer, eu acho que foi apenas por ter visto tantos, você sabe... pênis."
Eu ainda estava chocado, e eu disse o que qualquer marido teria dito: "Ah, tudo bem querida, mas honestamente, você gostou?" É claro que eu não queria ter falado uma palavra sequer desse assunto, mas ela foi rápida em responder: "Oh querido, sim eu gostei, quer dizer, todos aqueles homens, com paus tão grandes, especialmente o Jack, você viu quando ele foi pegar minha toalha, e tocou na minha perna?"
Antes que eu pudesse responder, ela estava começando a esfregar seu clitóris ao longo do meu pau meio duro agora, sem pedir nada, apenas deslizando a pélvis para cima e para baixo, e começando a gemer, "uuughhh... mmmmmmmm... ahhhh... oh... oh sssimmmm, é tão bom, tão bom, deixe esse pau duro para mim, baby, eu preciso, vamos lá, baby, eu sei que você vai ser um bom menino e deixar esse pau duro bem para mim"
Epa.... ela realmente disse: "Seja um bom menino???" A pior parte foi que com isso eu logo estava duro de novo e ela deslizando para cima e para baixo como uma selvagem. "oh querido, oh, sim, aqueles paus eram tão grandes, oh sim, especialmente o do Jack, tão grande, tão lindo, oh sim, oh sim, oh baby, oh sim, tão sexy, oh querido, da próxima vez você vai me deixar tocá-lo? " O jeito que ela disse isso, o olhar em seus olhos, ela quis dizer isso mesmo, e no fundo eu sabia que ela estava falando sério.
"Oh, querido, eu quero tocar o seu pau grande, é tão sexy, tão grande, oh sim... mmmgghhh... oh foda vou gozar de novo... oh sim... ooohh... sim... eu quero o pau grande e grosso do Jack.... aaaaaaaaahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh..."
Mais uma vez ela caiu em cima de mim, com suas tetas enterradas no meu peito, sua boca chupando meu pescoço, sua vagina tão molhada e quente, esfregando contra meu pau. Eu sabia que eu queria isso para o resto da minha vida, e nada iria ficar no caminho. Eu estava tão aliviado por termos encontrado um caminho para ela chegar ao orgasmo, mesmo que isso significasse fantasiar sobre paus grandes, o pau de Jack, eu não me importava, eu tinha que tê-la de novo e de novo e de novo.
Karen finalmente sentou-se, ainda se contorcendo no meu pau. Ela olhou para mim, então ela disse, "Querido... eu ah, er... quero dizer que foi maravilhoso, tão emocionante, mas, você sabe, não te incomoda o que eu disse sobre o Jack?" Eu sabia que a minha resposta definiria nosso relacionamento sexual futuramente. Eu queria pensar nisso com cuidado, mas meu pau, como de costume, falou tudo, "oh baby, isso foi tão sexy, você realmente me pegou, não, eu... ah.... eu acho que ta tudo bem, você para falar, você sabe, dos paus dos outros homens".
Então ela saiu e ajoelhou-se, olhando para meu pau agora mole, "Querido, você, ah, bem, você notou hoje, na praia de nudismo... que, bem... por favor, não fique bravo, mas... "
"Oh baby, o que é isso, você pode me dizer qualquer coisa...", eu respondi.
"Bem, eu achei que eu tinha descoberto algo na nossa noite de núpcias, mas eu não tinha certeza, mas hoje na praia de nudismo... quero dizer... por favor, não vá surtar amor, eu te amo muito, e não é grande coisa, mas... bem... você meio que tem um pênis pequeno."
Pequeno e pênis não são duas palavras que um homem deseja ouvir de sua esposa na mesma frase. Eu só olhava para o espaço, não tendo certeza se o meu mundo estava mesmo desmoronando em torno de mim, tudo que eu podia ouvir era "você meio que tem um pênis pequeno", uma e outra vez. Então aconteceu, o tempo todo que eu estava ouvindo isso, ela estava vendo o meu pau ficar duro. Então ela disse: "Olhe, eu acho que ele gosta de ser chamado de pequeno, he he he..." Ele estava duro agora e ela passou o dedo suavemente para cima e para baixo nele. "O meu bebê tem um pequenino pipizinho?" em seguida, ela pegou o eixo, e esfregou a cabeça em seu mamilo. "Faça esse pintinho pequenino gozar para a mamãe, é realmente pequeno bebê, e parecia tão pequeno ao lado do de Jack na praia hoje, você viu ele sorrir quando viu você nu? Será que ele estava rindo de você amor, do seu pipizinho?" Por que ela estava falando assim comigo, o que estava acontecendo, eu não tinha ideia, mas quando ela comparou o meu pau ao de Jack, realçando a sua superioridade, eu gozei e gozei sobre todo o seu peito.
Ela riu quando eu gozei, e esfregou as gotas de esperma em seu mamilo. Ela então se inclinou sobre mim e me beijou, e então ela pegou sua teta, e baixou-o em minha boca. Eu sabia que ela tinha acabado de esfregar minha porra toda sobre ela, mas minha esposa já tinha um certo poder sobre mim, e eu estava totalmente impotente quando abri a boca, e provei do meu esperma pela primeira vez. Ela riu, e alguns segundos depois, saiu da cama, e disse que tinha que tomar um banho e preparar-se para Jack. Foi o jeito que ela disse, "Preparar-se... para... Jack", eu tinha de me preocupar novamente.
Ela entrou no chuveiro, e parte de mim queria se juntar a ela, mas era como se ela tivesse colocado um escudo invisível, ela não me convidou para acompanhá-la, pois ela não queria que eu me juntasse a ela. Foi assim que minha cabeça estava começando a trabalhar. Eu fiquei somente a observá-la, ela estava tão sexy, sua pele lisa, firme, seus peitos lindos, grandes, sua bunda redonda e firme, e o rosto doce e inocente. Eu olhava com admiração, por ela ter-me deixado fode-la, por ela ter tocado meu pau, ter recebido meu esperma em seu mamilo...
Entrei no chuveiro depois dela e depois do banho vesti só um short e uma camisa de malha, sabendo que Karen passaria mais de uma hora se preparando. Peguei um charuto cubano e me sentei na varanda. Assim que eu estava terminando, ela saiu para a varanda. Meu queixo caiu, Karen estava mais sexy do que eu já tinha visto. Seu cabelo estava ondulado e um lado estava preso atrás da orelha, ela usava um top fino, sem sutiã, e uma saia curta que ressaltava seu bumbum e suas pernas. Cada pequeno movimento do seu corpo passava através de seus seios e o fazia balançar perfeitamente. Os últimos dias de sol deixaram sua pele dourada.
Eu a olhava com admiração, quem era esta mulher? Ela nunca a tinha visto vestida tão sexy, e vê-la assim me fez sentir tão inferior, como eu poderia competir com os outros homens? Fiquei com a impressão de não ser merecedor de tanta perfeição. Então ela me disse: "Você gostou, querido?" eu me levantei e fui até ela, disse-lhe como ela estava sexy, e a beijei, deslizando minha mão até sua barriguinha lisa, subindo até o topo para tocar seus seios, e num instante eu estava de pau duro novamente. Mas Karen me empurrou sorrindo, "Oh querido, se comporte... Jack vai estar aqui em breve." Ouvir o nome dele, e agora sua rejeição a mim combinada com o seu nome, foi muito desconfortável, mas mesmo assim meu pau continuou mais duro do que nunca.
Ela virou-se e eu vi sua linda bunda se afastando, ela pegou um papel no chão, e eu vi as bochechas de seu bumbum, ela estava usando uma calcinha fio dental. Eu nunca soube que ela tinha uma calcinha fio dental, e agora ela estava vestindo uma, quando Jack estava vindo. Assim que ela se afastou, houve uma batida na porta, ela correu para abri-la e lá estava Jack, vestido semelhante a mim, mas seu queixo quase caiu quando viu Karen. Ela o abraçou e novamente eu vi a mão dele em suas costas, em seguida, lentamente deslizando para baixo e apertando a bunda dela. Ela segurou seu braço enquanto entrava com ele, e eu apertei a mão dele.
Nos sentamos na varanda depois de eu leva-los algumas bebidas. Karen e Jack começaram a conversar, novamente como se eu não estivesse ali. Então eu vi os olhos de Jack brilhando para baixo, nas coxas douradas de Karen, e eu olhei para elas também. Karen estava de frente a ele, e suas pernas estavam um pouco abertas, o tecido branco da calcinha cobrindo sua buceta era visível, era impressão minha, ou Karen estava dando flashes da sua buceta para Jack?...
Após mais algumas rodadas de bebidas, Karen estava ficando bêbada, rindo de tudo, e até eu estava me sentindo melhor. De repente, uma música tocou no rádio e os olhos de Karen se iluminaram, ela levantou-se, agarrou a mão de Jack, e disse: "Essa você tem que dançar comigo." Ele tentou resistir, mas ela não aceitaria um não como resposta. Eles dançavam de mãos juntas ao largo, as tetas de Karen estavam tão sexys, gingando ao som da melodia. Em seguida, a música lenta parou e veio outra mais embalada, Karen agora estava dançando mais e mais rápido, quando Jack estendeu a mão e puxou-a de volta para ele. A força do puxão a sacudiu, e a mão dele se enrolou de volta nas costas dela. Ela olhou para ele, e eles lentamente dançaram ao redor da sala, e então ela tomou a iniciativa dessa vez, ela abriu a boca, e o apertou com força contra ela.
Eu observei em silêncio enquanto minha esposa estava beijando Jack, eu estava congelado, imóvel, incapaz de fazer ou dizer qualquer coisa enquanto os via num abraço apertado. Então eu vi a mão de Jack escorregar para baixo, por cima da saia dela, e levantando-a para expor a bunda dela, tateando e apertando a nádega carnuda. Eu ainda estava entorpecido, assistindo aquele velhote beijando minha esposa e apalpando a bunda dela, ouvindo-a gemer, depois de sentir que suas mãos estavam em sua bunda. Assim que eu estava voltando à realidade, com planos de rasgá-los em pedaços e jogá-lo para fora da sala, foi que eu senti meu pau duro, pulsando, eu queria me masturbar, enquanto observava a minha esposa explorar a boca de Jack com a sua língua macia.
Sentei-me lá vendo Jack puxar a saia dela para baixo, e eles continuarem se beijando enquanto ela se livrava da saia. Suas mãos não paravam uns sobre os outros, e Jack olhou para mim, com o mesmo sorriso que ele me deu quando viu meu pinto pequeno. Ele empurrou as mãos dela para cima da cabeça, e lentamente começou a levantar a blusa dela, expondo seus lindos seios. Assim que ela estava fora, sua boca engoliu um mamilo dela, e as mãos dela seguraram a cabeça dele em sua teta enquanto ele a chupava, e ela gemia.
Então ela começou a despi-lo, puxando sua camisa e esfregando as mãos por todo o peito de pêlos acinzentados, sua boca agora estava lambendo e chupando os mamilos dele, retribuindo o carinho. A cena era forte demais, e comecei a me masturbar. Quando Karen se inclinou para abrir o zíper da bermuda dele, ela olhou para mim e me viu batendo punheta, o olhar sexy em seu rosto misturava medo, ansiedade e luxúria. Quando ela me viu me masturbando no entanto, isso foi como uma permissão para ela e ela não voltaria mais atrás.
Ela ficou de joelhos e puxou o calção dele para baixo. Seu pênis caiu e bateu no rosto dela. Ela sorriu, e agarrou seu pênis pela base, e levou-a à boca. De repente, eu cai na real, nos poucos dias da nossa vida sexual, ela ainda não tinha chupado meu pau, e agora a sua primeira vez com o sexo oral, não era comigo, seu marido, mas sim com outro homem. Observando-a esticar a boca para abrigar a cabeçorra ingurgitada, foi demais para mim. Quando ela forçou os lábios em torno do pênis dele, eu gozei, e gozei, aos jatos. Os olhos de Karen me procuraram, mas nem por isso ela perdeu o ritmo, tentando obter mais da enormidade dele em sua boca.
Fiquei lá sentado enquanto ela lambia de cima abaixo o eixo dele, chupando a cabeça, e lambendo as grandes bolas peludas, enquanto deslizava sua mão para cima e para baixo em seu pênis. Ele estava quase totalmente duro agora, então ele a pegou e começou a amassar seus peitos, em seguida levando-a para a cama. Ele sentou-se ao pé da cama e ficou na frente dela. Eu acho que ele estava tentando se certificar de uma posição em que eu pudesse ver o que ele ia fazer com a minha esposa. Ela levou seu pênis de novo à boca, sugando-o, lambendo-o, e esfregando-o por todo o rosto enquanto ele brincava com seus peitos.
Eu fiquei lá ainda congelado, vendo minha noiva, minha esposa, chupar o pau de um homem velho, bem na minha frente. Eu tinha gozado na minha mão e meu estômago, e meu pau já estava duro novamente. Eu tentei escorregar de volta para a realidade, mas não adiantou, acho que eu sabia que se eu parasse tudo aquilo agora, ela iria ressentir-se de mim para sempre. Eu sabia como era o sexo com ela, mas não era essa a mulher que aparecera para mim antes, esta Karen tinha luxúria, ela era selvagem, gemendo com a boca cheia de pau duro.
Eu comecei a me masturbar novamente, e Jack disse a ela: "Olhe para ele, ele não parece se importar conosco, afinal..." para o que Karen respondeu: "Eu estou tão feliz, eu tinha que ter você Jack, depois de ver o seu pau na praia. Eu sabia que tinha que ter você, não importa o resto, eu amo meu marido, mas sexualmente ele não é nem de longe o homem que você é". Novamente essas palavras reverberaram na minha cabeça", mas sexualmente ele não é nem de longe o homem que você é", uma e outra vez. Estas palavras vieram de uma mulher que era virgem a três dias atrás. Mas ao invés de deixarem-me raivoso ou deprimido, suas palavras me deixaram mais forte do que nunca. Tudo de repente fez sentido para mim, eu tinha passado os últimos dois anos, tendo sexo negado por Karen, enquanto me masturbava uma ou duas vezes por dia. Agora lá estava eu, mais uma vez, tendo sexo negado por ela e me masturbando. Este é o lugar onde eu me sinto confortável, esta foi e agora será a minha vida, pois Karen está bem aqui na minha frente, eu não tenho que imaginar seu corpo, eu posso vê-lo, e Jack é o que eu tinha esperança de ser para ela, só que eu estou apenas olhando ele ser o que eu não posso.
Jack puxou o pau para fora de sua boca e começou a esfregar a cabeçorra por todo o seu rosto, num gesto obsceno. Karen não fez caso disso, pelo contrário, fazia o seu melhor para manter sua boca sobre ele. Então Jack agarrou os seios dela e os levantou e colocou-os ao redor de seu pênis. Mais uma vez ele tirou de mim a primeira vez de algo com ela, dessa vez uma espanhola. Ela gemia junto com ele enquanto ele deslizava lentamente seu pau entre os peitos dela. Karen continuou lambendo os lábios enquanto se inclinava para trás para deixar Jack foder seus seios à vontade. Ela olhou para mim, me masturbando, "Oh querido, o pau dele é tão grande, eu sinto muito querido, eu... eu quero dizer... eu espero que você entenda, quando eu vi o seu pau pela primeira vez, eu não senti nada, mas quando eu vi o pau do Jack... eu fiquei tão molhada... eu espero que você não esteja com raiva de mim..."
Tudo o que eu consegui dizer foi: "Eu entendo baby, eu só quero que você seja feliz."
Jack riu: "Se é isso que você quer, assista a isto." E ele a empurrou para a cama, ela deu um gritinho e se arrastou para o meio da cama, abrindo as pernas para ele. Minha esposa, no terceiro dia do nosso casamento, abriu as pernas para outro homem. Jack ajoelhou-se entre elas, com seu pau enorme pendurado em direção à sua buceta. Ele olhou para seu corpo, lindo e sexy, vendo a emoção, e o desejo em seu rosto, ele sabia que tinha que me levar completamente para fora do quadro se quisesse desfrutar dela pelo resto de suas férias, então ordenou: "Diga ao seu marido como você se sente sobre o pinto pequeno dele."
"Ah não Jack, apenas me fode agora..." Ele esfregou a cabeça de seu pênis ao longo da sua fenda ansiosa. "Eu quero que você diga a ele, como você se sente". Ela gemeu alto quando ele pressionou a cabeçorra contra os lábios inchados da sua buceta. "Ele tem um pinto pequeno", ela gritou. "MAIS ALTO" Jack respondeu empurrando um pouco mais fundo. "É tão pequeno, tão fino, que eu mal posso sentir, é como foder com um menino". Eu estava ouvindo ela dizer tudo isso e acariciando-me mais e mais rápido, era incrível mas eu estava gostando de ouvi-la falar assim de mim, vendo o desejo que ela tinha por Jack, eu queria que ele metesse logo seu pênis nela, provavelmente mais do que ela mesma. "Diga a ele o que você me disse na praia, enquanto estávamos na água". "Não Jack, por favor, não me faça fazer isso..." Jack empurrou a cabeça do seu pau completamente em sua buceta e rapidamente puxou-o para fora. Seus olhos saltaram, e sua boca ficou escancarada, mas não houve nenhum grito. Continuei acariciando meu pau, sem imaginar do que ele estava falando. Jack continuou apenas deslizando sua enorme cabeça molhada para cima e para baixo em sua fenda, lambuzando-a cada vez mais. "Diga a ele", disse ele novamente.
"Oh querido me desculpe, mas eu disse a Jack como eu me sentia, como o sexo com você não era nada do que eu imaginava, que eu estava muito decepcionada. Então Jack me disse que ele percebeu o quão pequeno você era, e quando eu disse a ele sobre, você sabe, o quão rápido você goza, ele me disse que eu nunca ia ficar satisfeita com você, nunca..."
Jack sorriu para ela, orgulhoso, deu-lhe um sorriso de "boa menina", e lentamente começou a empurrar seu pênis grande e grosso em sua buceta. Karen gemeu e começou a gritar, quando ele tomou seu tempo para trabalhar profundamente em sua boceta. "Ohhhhhh... sim... oh é tão grande, tão grande oh, não pare, oh sim, eu não posso suportar isso, foda-me, oh, sim me fode, você é grande pra caralho..." Jack puxou-o para fora e, em seguida, empurrou-o mais fundo dentro dela e começou a lhe foder. Ela cruzou as pernas nas costas dele e os braços em seu pescoço. Foi quando eu gozei de novo, vendo-o enterrar seu pênis dentro dela e ouvindo-a gritar e falar como ele era demais. Minha mão, meu pau e meu estômago estavam cobertos com duas cargas de porra.
Agora Karen estava sendo fodida forte por Jack, seus gritos eram altos e eu rapidamente levantei-me para fechar a porta da sacada. Na minha cabeça, o mundo todo estaria sabendo que ali estava uma esposa sendo fodida por um amante bem dotado, na frente do marido com um pintinho. Eu me virei para vê-los e as pernas de Karen estavam agora elevadas no ar e Jack estava batendo seu pau rápido e forte dentro dela. Vendo ela assim, e lembrando de como ela era comigo, onde eu só poderia levá-la a gemer um pouco, eu soube imediatamente o que me esperava no nosso casamento. As mãos de Karen estavam por todo o corpo de Jack, tateando-o, puxando-o mais profundo dentro dela, gritando, gemendo, implorando por mais. Eu já havia gozado bastante e nesse momento fui tomado por um sentimento estranho, ao ver a minha esposa de pernas abertas se entregando ao primeiro homem que ameaçou o nosso casamento. Quantos mais haveriam? Indiferente aos meus pensamentos, Karen teve um orgasmo intenso que abalou todo o seu corpo. Apesar de já ter gozado comigo, não tenho dúvidas ao afirmar que esse foi o seu orgasmo mais intenso, senão o primeiro orgasmo real da sua vida. Quando ela acabou de gemer, gritar, e tremer, Jack gozou também, seu pau explodiu dentro dela e ela teve mais outro orgasmo.
Jack saiu de dentro dela, e ela ficou deitada lá, exausta, nua, com esperma escorrendo de sua vagina. Alguns minutos depois ela me olhou, seus olhos me contaram tudo, ela queria me agradecer por deixá-la fazer sexo de verdade. Eu devo ter parecido mais patético do que nunca, ainda parcialmente vestido, com o pau mole na mão e todo gozado após tanta punheta enquanto ela teve a foda da sua vida. Ela sorriu e estendeu os braços para mim, eu corri para ela, nos abraçamos, ela me beijou e disse que me amava, e que eu havia dado a ela a melhor lua de mel do mundo, que ela jamais poderia imaginar. Na minha mente, eu sabia que pelo menos metade do crédito por isso, eu devia ao Jack. Beijei-a de novo, indiferente ao gosto estranho de homem em sua boca, em seguida deixei minha boca deslizar para baixo, e beijei também seus seios, lambendo-os, e apesar de deliciosos, eles agora guardavam um sabor diferente, salgado, fruto do suco do pré gozo do Jack, e até mesmo do seu suor. Eu estava no piloto automático quando a minha boca deslizou mais para baixo, na sua barriga, lambendo, beijando, adorando seu corpo infiel, e logo eu podia sentir sua buceta, os sucos, a porra do Jack, eu deslizei mais para baixo e abri suas pernas, para ver a porra branca e quente escorrendo lentamente de sua fenda, vermelha e inchada. Algo veio sobre mim, e eu nunca quis tanto algo na minha vida como colocar a minha boca em sua buceta fodida, encharcada de esperma. Comecei a chupar e a lamber tudo. Ela ronronou enquanto eu lambia o esperma de Jack, o gosto, o cheiro, eu queria tudo, quando eu coloquei minha boca direto sobre sua buceta, uma bola enorme de esperma entrou na minha boca e eu saboreava, e engolia tudo. Karen finalmente falou: "Isso... seja um bom menino, lamba tudo" e eu lambia e chupava ela. Eu abri meus olhos para vê-la, eu não tinha percebido que Jack tinha se ajoelhado ao lado do seu rosto, e o pênis semi flácido dele estava em sua boca. Eu estava esfregando meu pauzinho duro em seu tornozelo enquanto eu a chupava, e vê-la de tão perto com aquele pau enorme na boca me fez gozar de novo, pela terceira vez em menos de uma hora.
Quando terminei de lamber a porra do Jack dela, Karen me pediu para levá-la um pouco de água. Levantei-me para atende-la e quando voltei para a cama ela estava deitada ao lado de Jack, sua cabeça apoiada em seu ombro, uma perna sobre seu dorso. Ela pegou o copo, bebeu a água e disse-me que ela e Jack iriam tirar um cochilo. Jack apenas sorriu para mim, quando gentilmente passou a mão sobre um dos montes de carne macia dos seios dela, reafirmando a sua posse. A passividade dela em aceitar as carícias ousadas de outro homem, que nesse momento poderiam já ser desnecessárias, bem como a troca de carinhos que se somavam estritamente entre os dois, eram outros indicativos do que me esperava no futuro. Desde que eu estivesse pronto para ele. Eu teria que estar.
Eu tinha pensado que Karen conseguira o que queria, e que Jack iria deixar-nos a terminar o resto da nossa lua de mel, mas eu estava errado. Eu coloquei meu short de volta e voltei para a varanda para fumar outro charuto. De lá mesmo eu assisti os dois na cama dormindo, nus, aconchegando-se um ao outro. Quando eles haviam dormido por cerca de uma hora, de repente eu vi Karen sentando-se em cima do pau de Jack, prestes a se empalar. Ela lentamente sentou-se sobre ele, e em seguida, começou a saltar para cima e para baixo, seus seios balançando junto com ela. Ela parecia incrível, tão sexy, eu fiquei de pau duro imediatamente e voltei para dentro para vê-los de perto e bater outra punheta. Quando Karen me viu, sorriu, o suficiente para somente eu perceber. Ela olhou para Jack e se inclinou para que ele pudesse acariciar seus peitos. Então Jack começou a falar sujo: "Oh caralho baby você é tão quente, foda em cima do meu pau, sua vagabundinha...". Karen começou a trepar com ele mais e mais, e começou a gritar quando ele a chamou de vagabunda e Jack continuou: "Foda no meu pau sua putinha do peito grande, foda ele com essa bocetinha apertada..." Karen foi à loucura, seu pau estava todo dentro dela agora e ela apenas rebolava, moendo-o dentro de sua vagina. Então ela começou a quicar para cima e para baixo. Foi incrível vê-la levantar-se para o alto e ver apenas a cabeça do pau dele ainda dentro dela, o eixo todo de fora, coberto de suco dos dois. Isso trouxe de volta lembranças do meu pau constantemente escapulindo de dentro dela, e de repente me senti muito inferior, mas ao mesmo tempo muito feliz por Karen estar se realizando como ela queria, e gostando tanto disso.
Eu vi claramente que Jack estava perto de gozar e Karen também sabia disso. Ela olhou para mim e disse-me para me apressar e ir para a cama. Corri para a cama, feliz que minha noiva agora me queria novamente. Quando eu me ajoelhei ao lado dela, ela me disse para me deitar de lado. Eu fiz isso, colocando-me ao lado de Jack enquanto ela o montava. Então ela me disse para descer mais. Eu não tinha ideia do que ela pretendia, mas obedeci, enquanto ela continuava cavalgando no colo dele. Eu estava encorajado pelo fato dela querer que eu participasse de alguma forma, e deslizei minha mão até o seu tronco, sentindo a sua pele lisa, agora quente e suada. Quando eu deslizei minha mão para cima do seu corpo com a intenção de explorar suas tetas, Jack viu e puxou minha mão. Karen olhou para mim e sorriu, era tão surreal a forma como ela podia comunicar-se comigo apenas com um olhar, e neste em particular ela me disse, "Desculpe querido, mas somente o que o Jack quiser."
Jack continuou seu ataque verbal a ela, "Oh baby, você é tão sexy, sexy como uma puta quente, você precisa de um homem com um pênis grande e grosso, não é vadia?" Karen adorava ouvi-lo falando assim e rapidamente pegou o ritmo, gritando. Então Jack continuou: "Diga ao seu marido o que você realmente pensa do seu pinto pequeno." Karen nem sequer olhou para mim, ela não parava de rebolar no seu pênis, "Ele é tão pequeno, tão fino, nada parecido como o seu pauzão, Jack."
"Diga a ele que você é minha agora, que para o resto de sua lua de mel você só vai foder comigo."
Desta vez, Karen olhou para mim: "Querido, me desculpe, mas eu só posso estar com o Jack pelo resto da nossa lua de mel, ele é tão grande e você é tão pequeno, me desculpe baby, sinto muito, mas eu não posso fazer nada..." Meu coração estava quebrado, mas meu pau estava duro como pedra, enquanto a ouvia dizer-me que ela não poderia mais fazer sexo comigo. Sensações de pavor e de prazer atravessavam o meu corpo. Jack deve ter adorado ouvir ela falar assim, pois logo começou a gritar que ia gozar. Karen gritava de volta, pedindo-lhe para gozar em sua buceta, remexendo-se sobre ele enquanto ele explodia dentro dela. Então ela se abrandou, gemendo, balançando para frente e para trás enquanto baixava o rosto até o dele e beijava-o. Para sentar-se, ela rapidamente levantou a buceta para fora de seu pênis e então eu descobri por que ela queria que eu estivesse ao lado dela. Em um movimento rápido e preciso, ela saiu de Jack, e baixou a buceta pingando, molhada e inchada, no meu rosto. A última coisa que eu vi foi a sua buceta vermelha, aberta, com um longo fio de esperma de Jack pingando para fora dela, vindo em minha direção. O cheiro era forte, e não necessariamente agradável. Ela se esfregou em cima de mim, me mandando sugar tudo. Eu fiz o que me foi dito e logo senti uma grande bola de esperma entrando na minha boca. O sabor e a textura era tão estranhos, mas incrivelmente sexys. Cumpri resignado a minha tarefa, e ao final dela, a minha face estava revestida de uma camada grossa de esperma, que começava a ressecar. Oportunamente eu ouvia os dois trocando algumas palavras, sons de beijos, e risinhos da minha esposa, enquanto esfregava caprichosamente a buceta na minha cara.
Estávamos todos cansados, mas foi Karen quem se levantou primeiro. Ela disse que ia tomar um banho e se inclinou para beijar Jack mais uma vez. Ele segurou sua teta e apertou-a enquanto se beijavam. Eu estava esperando ela me dar um beijo também, mas ela apenas saiu para o banheiro, nua, mais sexy do que nunca.
Eu estava desconfortável, sozinho ali com Jack no quarto, sentindo seu esperma endurecendo na minha testa, e me levantei, colocando meus short. Jack de repente pareceu menos agressivo, e disse: "Você está bem com tudo isso até agora?" Eu simplesmente assenti com a cabeça. E ele continuou: "Eu sinto muito se eu tiver, sabe, estragado as coisas para você, mas você mesmo viu, você viu tudo, ela queria mais, mais do que você poderia fazer por ela..." e de novo eu assenti. "Se você quiser eu vou embora e não volto mais, eu faço isso para você e digo a Karen que foi uma decisão minha". Eu quase entrei em pânico, quem iria dar prazer a Karen? "...mas se você gostou do que aconteceu, então eu vou ficar, caralho, eu vou até trazer minhas coisas para cá para passar o resto da semana com vocês, mas se você quiser que eu vá embora, eu vou. Mas se eu ficar, então Karen será só minha, entendeu?"
Eu sabia que estava diante de outra decisão importante, o homem que comeu minha esposa na nossa lua de mel estava sendo decente sobre isso, me deixando decidir se ele ficaria ou não. Eu sabia que não poderia decepcionar Karen, que eu tinha certeza que estava esperando muito mais diversão do que tivera até agora. Sentindo seu esperma endurecendo em meu rosto, eu disse a Jack que eu queria que ele ficasse, e ele sorriu, um sorriso enorme. Em seguida sua arrogância estava de volta:
"Então vá até o banheiro e diga a Karen que você me pediu para ficar, e para trazer minhas coisas para ficar aqui com vocês." Eu lentamente fiz meu caminho para o banheiro, ouvindo o chuveiro ligado, e gritei, "Karen, querida?" ela abriu a porta, "Sim amor?", "Ah, eu... ahnn... pedi ao Jack para... ahhhh... para ir buscar as suas coisas, e trazê-las para cá, sabe....." ela sorriu, um grande sorriso, antevendo toda a satisfação sexual que lhe esperava, e mais uma vez me surpreendeu: "Oh, que bom querido... mas você não acha que você deve ir pegar as coisas para ele?... quer dizer, eu tenho certeza que ele está muito cansado...."

Comentários

  1. delicia de conto imagino bem assim com minha esposa
    historinhaslegais@outlook.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas