CORNO NA LUA DE MEL - PARTE 1 (an american tale) Autor: guido

CORNO NA LUA DE MEL - PARTE 1
(an american tale)
O casamento foi um enorme sucesso, tudo correu como o planejado e minha noiva estava radiante. Karen estava linda com seu cabelo loiro em cascata sobre seu rosto e ombros, tão doce e inocente. Eu quase desmaiei quando a vi pela primeira vez em seu vestido de casamento. Mas também me senti culpado, sabendo que ela estava pensando num casamento romântico, e tudo que eu conseguia pensar era que eu iria transar com ela.
Fiquei apaixonado por Karen desde o nosso primeiro encontro. Tudo nela era perfeito, exceto sua insistência em permanecer virgem até a noite de núpcias. Nossa vida sexual até agora consistia em abraços e beijos. Eu não conseguia convencê-la de outra forma e cada dia até o dia do nosso casamento eu ia para casa para me masturbar. Eu tinha passado os últimos dois anos da minha vida obcecado por esta mulher, sua sexualidade e tudo sobre ela era inebriante para mim. Seu corpo era voluptuoso, e estranhamente eu me encontrava excitado por sua negação a mim, eu não tinha certeza do porquê, mas isso começou a me consumir.
Eu sei que o dia do nosso casamento é um dia especial, um dia de alegria e de juras de amor, mas tudo que eu conseguia pensar era que esta era a noite em que eu finalmente teria relações com Karen, finalmente iria vê-la nua, lhe tocar, beijar e lamber seus seios. A visão dela abrindo as pernas para mim era esmagadora. Felizmente havia muitos convidados, assim o tempo parecia voar. Eu estava com alguns velhos amigos quando Karen bateu no meu ombro e sussurrou em meu ouvido que deveríamos ir. Eu tinha reservado a suíte nupcial em um hotel muito elegante e voamos na manhã seguinte para St. Maarten.
Eu queria saborear o tempo até ter sexo com Karen, sua beleza e inocência por vezes eram mais do que eu poderia lidar, e eu faria qualquer coisa por ela. À medida que entramos no carro, minha excitação aumentou. Karen percebeu isso, e me deu sorrisos tímidos por todo o caminho até o hotel. Chegamos ao nosso quarto e começamos a conversar sobre como tudo correu perfeito e como estávamos felizes. Foi quando ela me beijou, e enfiou a língua na minha boca, e eu estava de pau duro em poucos segundos. Quando parou de me beijar ela foi para a mala e pegou algo, olhou por cima do ombro, e me disse que estaria de volta. Fiquei ali e tirei todas as minhas roupas, exceto minhas cuecas boxers, enquanto esperava ela sair do banheiro. Eu estava quase em transe quando ela saiu vestindo uma longa camisola branca de seda. Pela primeira vez, eu vi seus peitos não envoltos em um sutiã. Eles eram lindos, apenas ligeiramente flácidos, mas ainda firmes e sexys. Enquanto ela caminhava para a cama, eu não conseguia parar de olhar como eles balançavam. Ela estava tão calma, tão sexy quando sorriu e entrou na cama. Ela puxou as cobertas até os joelhos e me disse para diminuir as luzes.
Corri para a parede e fiz como me foi dito. Caminhando lentamente de volta para onde estava aquela maravilha. Ela riu quando nos beijamos e abraçamos, então, eu não aguentava mais e deixei minha mão deslizar sobre seu peito. Ela gemeu quando eu a apertei, eu queria tirar as mamas dela e encher minha boca com elas, mas eu sabia que tinha que ir devagar. Comecei a puxar a alça fina de sua camisola por cima do seu ombro, e minha língua foi lamber e chupar seus seios. Eu podia sentir sua respiração ficando pesada e eu tirei um de seus seios. Ela tinha mamilos grandes, que eu imediatamente coloquei em minha boca e comecei a chupar. Logo minha boca estava cheia da sua carne quente e macia. Meu pau estava tão duro que eu nem sequer notei a sua mão deslizar pelo elástico da minha cueca.
Em um instante, sua mão estava no meu pau, eu parei de chupar seu peito para que eu pudesse deleitar-me com seus toques delicados. De repente ela parou, senti que algo estava errado, "O que há de errado, querida?" e ela rapidamente respondeu: "Oh, nada baby, nada", e me beijou e voltou a acariciar meu pau. Voltei para as mamas dela e tinha a metade de cima da camisola em torno de sua cintura. Lembro-me olhando para as mamas dela e pensando que era o local mais bonito ainda do que eu tinha imaginado. Do nada, comecei a sentir uma forte sensação em minhas bolas, eu sabia que tinha de me acalmar, rapidamente. Mas era tarde demais, ela olhou para mim e disse: "Oh, querido, me fode, agora." Não adiantava, ouvir essas palavras da sua boca, e a forma como ela enfatizou "fode", enquanto acariciava meu pau, olhando para seus seios nus, apenas aconteceu, eu gozei para todo lado.
Ela ficou chocada, e eu imediatamente comecei a me desculpar. Ela tentou me dizer que estava tudo bem, que ela sabia que eu estaria excitado, mas pude sentir a sua decepção. Ela se levantou e foi ao banheiro e lavou as mãos. Meus olhos ainda sobre as mamas dela enquanto balançavam com seus movimentos de lavagem das mãos. Assim que terminou, ela agarrou a camisola e puxou-a de volta, cobrindo-se. Quando ela veio para a cama pedi-lhe para me deixar descansar um pouco e poderíamos tentar novamente. Ela sorriu e me disse que tudo bem, que tínhamos que dormir um pouco para nosso voo na manhã seguinte. Tão desapontado quanto eu estava, ainda assim me senti aliviado, pois tinha provado dos seus peitos!
Quando acordei, Karen já tinha tomado banho e se vestido. Eu estava desapontado porque eu tinha planejado uma rapidinha antes do voo. Ela me disse que queria me deixar dormir depois do "treino" da noite passada. Ela riu quando disse isso e eu não achei ruim, até fiquei feliz que ela pudesse rir disso.
Ficamos entusiasmados com a nossa lua de mel, duas semanas em St. Maarten com o meu sonho de menina, sexo, sol, sexo, praia, sexo, gastronomia, sexo, jogo, sexo e mais sexo. Karen tinha comprado roupas novas para a viagem, e parecia mais sexy do que nunca. Ela abusava dos decotes o tempo todo, deixando mais botões abertos do que o habitual. Eu pensava nela como minha esposa, com sua nova sexualidade, apesar de não haver consumado o casamento ainda.
Sentei-me junto à janela no avião e Karen sentou-se no assento do meio. Estávamos conversando, quando um homem mais velho sentou-se ao lado de Karen. Eu imaginei que ele tinha cerca de 65 anos. Ele tinha um rosto bonito, simpático e eu vi ele observando Karen antes de se sentar ao lado dela e puxar assunto. Eu fiquei mais orgulhoso do que ciumento, ela era minha esposa agora, os seios que ele olhava, eram meus.
Karen nos apresentou e foi rápida para dizer ao mundo inteiro que estávamos em nossa lua de mel. Ele ficou feliz por nós, e ele e Karen começaram a falar. Eu estava bem com tudo isso, pois eu realmente queria descansar um pouco, ao invés de entreter Karen. Entre um cochilo e outro, eu podia ouvi-los conversando e rindo. Eu estava feliz por ela, por ter encontrado alguém para conversar, já que eu não sou muito conversador.
Finalmente chegamos, e no desembarque Karen me disse que Jack estava hospedado no mesmo resort. Ela sussurrou para mim que ela lhe disse que poderíamos nos encontrar para beber alguma coisa, e que ele era viúvo, estava de férias pela primeira vez sem a esposa. Eu apenas assenti e depois que todos nós pegamos nossas bagagens, Karen lhe ofereceu compartilhar o táxi conosco até o resort. Esta foi a primeira vez que eu não estava satisfeito, eu estava esperando apalpa-la um pouco no táxi, entrando no clima, mas rapidamente concordei.
Chegamos no resort e deixei Jack fazer o check-in primeiro, apertando sua mão e dizendo a ele que eu tinha certeza de que iria vê-lo por perto. Karen abraçou-o com seus seios pressionando contra seu peito. Perguntei-lhe o que era aquilo tudo e ela me disse que sentia pena dele, nós estávamos apenas começando a vida juntos, e ele estava aqui sem sua esposa pela primeira vez.
Fomos a nossa suíte e ficamos impressionados com o seu mobiliário. Tudo era bonito, com uma varanda com vista para o oceano. Nós nos abraçamos e nos beijamos e ela me deu aquele sorriso tímido e começou a tirar a blusa. Eu rapidamente tirei a roupa também, e fiquei nu antes dela. Ela estava tão linda, tão sexy. Ela olhou para cima e pela primeira vez me viu nu. Eu ainda não sei o que foi, mas seu olhar mudou, foi tão sutil que eu não prestei atenção enquanto caminhava até ela, agarrando seus seios e levando-a de volta para a cama. Rolamos um pouco, meu coração acelerado, meu pau estava tão duro que eu estava pronto para gozar e eu ainda nem tinha sequer tinha penetrado nela.
Eu sabia que tinha de agir rápido e me ajoelhei entre suas pernas. Eu puxei sua calcinha para fora e dei meu primeiro olhar para a sua buceta perfeita. Ela tinha cortado os pelos e parecia muito sexy. Eu queria olhar para ela para sempre, mas agarrei seus tornozelos e abri suas pernas, abaixando-me em cima dela. Meu pau tocou sua buceta pela primeira vez, e eu senti aquela luva molhada como um veludo, encerrando meu tesão. Ela soltou um pequeno gemido quando comecei a bombear nela, mas foi demais para mim, e em cerca de um minuto eu comecei a gritar, "Eu vou gozar... Oh merda, eu vou gozar", e eu explodi dentro da sua buceta.
Caí em cima dela, feliz por finalmente ter conseguido fazer sexo com ela. Ela se encolheu um pouco, quase tentando ainda me foder, e eu tive que dizer a ela para parar, pois meu pênis estava muito sensível. Ela definitivamente parecia desapontada, mas se esforçou para não demonstrar. Nós nos aconchegamos na cama, e acabamos adormecendo, afinal, tinha sido uma longa viagem.
Levantamos na manhã seguinte e tomamos um banho juntos. Ensaboar seus peitos grandes e sentir seu corpo molhado com sabão foi a coisa mais erótica que eu já tinha feito. Eu a empurrei contra a parede do chuveiro e coloquei meu pau dentro dela. Ela começou a gritar: "Oh, sim ... oh, sim, faça isso", e desta vez eu era capaz de durar um pouco mais de um minuto. Ela se virou e sorriu para mim, me disse que foi bom e terminamos o banho. Senti-me como se eu estivesse em um sonho, eu não poderia imaginar um momento mais perfeito na minha vida, Karen era a mulher mais sexy que eu já conheci, e agora eu estava tomando banho com ela, e transando com ela.
Vimos Jack no café da manhã e Karen convidou-o para se juntar a nós. Eu não me importava com mais nada, eu tinha finalmente feito sexo com Karen, não uma, mas duas vezes. Ele tentou recusar, dizendo que ele não queria se intrometer na nossa lua de mel, mas Karen insistiu. Depois que ele sentou-se, Karen e ele estavam quase em seu próprio mundo, deixando-me de fora da maioria da conversa. Eu ainda podia ver Jack tentando olhar para os peitos de Karen de vez em quando. Eu gostei, pois ele apenas queria o que eu já tinha.
Karen e eu passamos o dia na praia relaxando, depois voltamos para o quarto, tomamos banho, separadamente dessa vez, e fomos à cidade fazer compras e depois jantar. Foi assim por dois dias, sexo e praia e jantar e mais sexo. Eu estava conseguindo durar quase dois minutos antes de ejacular.
O destino então começou a mostrar sua cara feia, em uma série de eventos que mudariam a minha vida. Eu estava bebendo na piscina do resort e ouvi alguém falando de uma praia de nudismo. Eu sabia que tinha que levar Karen lá, para mostrar ao mundo todo a mulher linda e sexy que eu tinha. Voltei para onde ela estava sentada e perguntei se ela queria viver uma aventura. Ela riu e perguntou o que eu tinha em mente. Eu disse a ela o que eu tinha ouvido e ela ficou cética no início, mas, eventualmente, aquecida com a ideia. Ela concordou que seria uma boa aventura.
Tivemos um pouco de dificuldade para localizar a praia de nudismo, mas chegamos lá. Não havia muitas pessoas e a partir do estacionamento vimos uma mulher de topless. Seu maneirismo foi tão natural que nos fez sentir relaxados. Caminhamos para encontrar um local para estabelecer o nosso cobertor e vimos um casal nu. Ambos eram muito mais velhos e estavam deitando quando vi Karen olhando para a bunda flácida do homem. Eu brinquei com ela sobre isso, e rimos.
Enquanto caminhávamos para encontrar um bom lugar, vimos muitos casais nus e seminus ao longo do caminho. Nós finalmente encontramos um bom local e espalhamos nosso cobertor na areia. Eu fui o primeiro a enfrentar este novo território e tirar minha roupa. Karen sorriu para mim, e se desfez da sua parte superior, mas preferiu manter o biquíni fio dental que tínhamos comprado. Nós dois ficamos surpreendidos com o quão confortável era estarmos nus. Nos levantamos para verificar a quentura da água e eu gostei dos olhares que as tetas de Karen estavam recebendo dos outros homens.
Enquanto caminhávamos de volta para o nosso cobertor, o homem com o bumbum flácido levantou-se, e eu vi Karen olhando diretamente para seu pênis. Ele era grande, grosso, e com uma grande cabeça roxa. Foi difícil para ela perceber ele olhando para as tetas dela, desde que ela estava olhando diretamente para seu pênis. Eu vi um olhar em seu rosto que eu nunca tinha visto antes, ela parecia perturbada ou confusa. Eventualmente apareceram mais e mais pessoas e Karen estava olhando para mais paus do que ela já tinha visto em toda sua vida. Paus jovens, velhos, grossos, longos e finos, de todas as formas e tamanhos, quando finalmente me dei conta. Todos eles, cada um deles, era visivelmente maior do que o meu. Eu acho que no fundo eu sabia que o meu era pequeno, apenas nunca tinha me importado com isso, mas agora eu tinha uma sensação de mal estar no estômago por Karen estar tomando conhecimento disso.
Eu olhei para o meu pênis, e percebi como ele era pequeno, mal saindo através dos meus pêlos pubianos. Olhei em volta e vi todos os outros homens com paus que pendiam, e balançavam quando eles andavam. A maioria era de tamanho médio, mas todos maiores do que o meu. De repente, minha mente estava de volta a minha classe de ginástica do colégio, e como eu tentava esconder minha nudez de todos os outros caras, porque eram todos maiores do que eu. Todos esses anos eu tinha reprimido essas memórias.
Eu estava tentando me acalmar, tentando me convencer que o que Karen e eu tínhamos era mais profundo do que o tamanho do meu pau, e olhei para ela, somente para ver seu queixo cair, ela estava olhando diretamente para um homem negro com um pau enorme. Seu pênis balançava enquanto ele andava, e ele rapidamente percebeu a beleza das tetas de Karen e sorriu enquanto caminhava, os olhos de Karen seguindo-o por todo o caminho. Eu me senti mal, e quando ele se afastou, ela olhou para o meu pau, e eu pensei que eu ouvi um suspiro, mas ela me beijou e disse que queria descansar um pouco e deitou a cabeça para baixo. Eu fiz o mesmo, tentando me convencer de que eu estava fazendo algo do nada, mas a sensação de mal estar não ia embora.
Foi quando ouvimos uma voz, "Olá". Nós olhamos, e eu não podia acreditar, a três metros de nós estava Jack, nu, com o maior pau que eu já vi na minha vida. Era enorme, pendurado, e grosso. Ele não era circuncidado. Karen tinha aquele olhar em seus olhos novamente. Ela estava um pouco envergonhada, sendo vista nua por alguém que ela conhecia, embora apenas recentemente. Mas ela rapidamente se recompôs e se levantou, quase rindo sobre o fato de eu e ele estarmos nus. Ela estava feliz em vê-lo e continuou tocando seu braço enquanto conversavam. Notei seu olhar para baixo em seu pênis cada vez que ele olhava para longe, e meu mal estar piorou.
Eu finalmente levantei e apertei sua mão, fiz o pequeno discurso habitual sobre "legal encontrar você por aqui", mas depois vi-o olhar para o meu pau, e algo aconteceu, algo mudou em seu comportamento quando viu que Karen tinha um marido de pinto pequeno. Karen e Jack rapidamente e facilmente começaram a conversar e rir, a comodidade de Karen em torno deste homem estava me deixando com ciúmes agora, especialmente agora sabendo que ele tinha um pau do tamanho de um cavalo.
Eles ainda estavam falando e eu estava quase em transe com uma sensação de mal estar quando Karen se virou para mim e disse: "Querido, vamos verificar a água, logo estaremos de volta", e virou-se. Eu só levantei-me e olhei a minha esposa se afastando de topless com um homem nu com um pau de cavalo, caminhando juntos. Depois vi eles brincando na água, rindo, nadando e conversando. Jack agora olhava abertamente para as tetas dela, e Karen ainda estava olhando para seu pênis a cada chance que tinha. Eles estavam na água de pé e conversando, quando eu vi ela colocando as mãos no fundo do seu biquíni e empurrando-os para baixo, curvando-se para removê-los pelos tornozelos. Em seguida ela o segurou no ar, com as mãos estendidas e eu quase podia ouvi-la dizer: "Tcham tcham tcham tcham....", quando expôs sua buceta para Jack.
O último par de dias foram como um sonho para mim, eu finalmente fizera sexo com a mulher que eu amava e adorava, depois de dois anos de luxuriosa adoração. De repente, eu estava temeroso que tudo isso pudesse mudar. Uma parte de mim estava lutando para dizer que nada mudou, que ela ainda era a minha esposa, que me amava, e nunca me deixaria por uma questão sexual. Havia apenas algo sobre ela e Jack juntos, que me deixava nervoso.
Eu assisti enquanto eles caminhavam para fora da água, ela agora nua, com a parte inferior do biquíni na mão. Os seios dela e o pênis dele balançavam a cada passo dos dois. Seus braços batiam um no outro, quase como se estivessem de mãos dadas. Ela sorriu para mim quando eles chegaram ao nosso cobertor e eu tive uma sensação de alívio quando ela se sentou ao meu lado. Então ela disse: "Querido, eu espero que você não se importe, mas eu tirei a minha parte inferior, Jack disse que não era justo que vocês dois estavam nus e eu não". Eu respondi que estava tudo bem e ela se inclinou para mim, me beijou, e eu estava lentamente voltando ao normal. Jack estava de joelhos perto de Karen e ela percebeu que ele estava molhado e disse que ele poderia usar sua toalha. Ela apontou para ele e ele se inclinou sobre suas pernas para chegar até ela e eu vi seu pênis encostar na sua panturrilha. Ela sentiu, e ficou parada. Ele pegou a toalha, mas depois deixou-a cair e seu pênis agora estava descansando em sua panturrilha. Quando ele voltou a se ajoelhar próximo a ela, os olhos dela estavam em seu pau e eu a vi mover-se, de forma a abrir as pernas para expor sua buceta para Jack. Todos esses movimentos foram feitos naturalmente, de forma que quem passasse jamais notaria alguma coisa, a não ser alguém atento e desconfiado como eu naquele momento.
Minha mente era uma montanha russa de emoções. Eu estava sendo paranoico? Por que esse homem pôs seu pênis na perna da minha esposa? Por que ela estava tão confortável com ele, nua na sua frente? Durante tanto tempo eu fui privado de contemplar a sua nudez, e esse homem agora tinha esse privilégio em tempo recorde, e com tamanho bom grado. Então Jack disse que tinha que ir, e eu tive uma nova sensação de alívio. Mas Karen não o deixou ir, ela o convidou para a nossa suíte para beber alguma coisa, ele novamente recusou, com aquela conversa de não querer se intrometer na nossa lua de mel, mas ela insistiu, e até me levou a insistir também, com um olhar dela. Ele finalmente concordou e então aconteceu, ela levantou-se e o abraçou, se despedindo. Eu vi quando eles se abraçaram, nus, os seios dela pressionando contra seu peito peludo, e o pau dele pressionando-se contra o V formado por sua buceta e coxas. As mãos dele foram para as costas dela, quando ele a puxou mais. Então eu não podia acreditar, ela o beijou nos lábios, foi só um selinho e parece que até mesmo ele foi pego de surpresa. Ousadia por ousadia, quando estava saindo, vi que a mão dele deslizou mais para baixo nas costas dela, seus dedos ao longo do traseiro dela enquanto ele a soltava.
Karen sentou-se ao meu lado, como se nada tivesse acontecido de errado, eu tinha que dizer alguma coisa. "Karen, o que diabos está acontecendo?"
"O que você quer dizer, do que você está falando?" ela respondeu.
"Karen você abraçou e beijou um homem nu, um desconhecido até poucos dias atrás."
Ela pensou e respondeu: "Oh, querido, ele é tão bom, eu gosto dele, você não pode, ser ciumento, quer dizer, eu estou casada com você a apenas alguns dias, e ele é tão velho, eu acho que você deve apenas relaxar."
Então, ela me deu um beijo na bochecha.

Comentários

  1. é a coisa mais maravilhosa que pode existir uma historia dessa com minha esposa adoro muito imagino minha esposa vivendo coisas deliciosas assim parabéns conto nota dez adorei
    meu email para fotos dela
    historinhaslegais@outlook.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas